Centro de Interpretação da Serra da Estrela promove percursos pedestres em agosto

Em agosto, o Centro de Interpretação da Serra da Estrela – CISE organiza cinco percursos pedestres, uma excelente forma de descobrir as maiores maravilhas da serra da Estrela.

Dirigidos a adeptos de pedestrianismo, os percursos são realizados em trilhos existentes na área do Parque Natural da Serra da Estrela, nomeadamente da rede de Caminhos de Montanha das Aldeias de Montanha, e realizam-se às quartas-feiras, com início às 9h30.

Os itinerários propostos são de pequena rota, circulares e dão a conhecer a riqueza natural e cultural da serra da Estrela.

O primeiro percurso é no dia 3 de agosto, tem 4 quilómetros e um desnível acumulado de mais de 300 metros. O percurso parte das Salgadeiras em direção à Lagoa do Peixão, uma das quatro maiores lagoas naturais da serra da Estrela, com origem na ação dos gelos glaciários do último período frio.

Na sua envolvente encontram-se alguns dos cenários de montanha de maior imponência, como o Cântaro Gordo, o Fragão do Passarão e o vale da Candeeira.

Na quarta-feira seguinte, o itinerário proposto utiliza um dos 14 percursos dos Caminhos de Montanha, a Rota do Volfrâmio, numa versão alargada.

O percurso tem início no Santuário de Santa Eufémia, na Aldeia de Montanha de Sazes da Beira, que durante a II Guerra Mundial teve uma intensa exploração de metais, como o volfrâmio e o estanho.

O trilho de 5,2 quilómetros percorre uma paisagem dominada por pinhais e socalcos agrícolas e, ao longo do percurso, são visíveis vestígios destas antigas minas.

Na terceira semana de agosto, no dia 17, o percurso começa na Torre e tem como cenário o Planalto Superior da maior montanha de Portugal Continental.

Nesta área, são numerosos os vestígios glaciários e uma flora e fauna selvagens, particularmente, bem adaptadas ao ambiente de altitude. Com uma extensão de 8,2 km, o itinerário visita, entre os mais relevantes, o Covão d’Alva, os poços de Loriga e a parte superior da Garganta de Loriga.

O percurso do 24 de agosto é na Rota da Caniça e é o que apresenta o desnível mais acentuado, de mais de 670 metros, numa distância de 10,4 km.

O trilho parte na Igreja Matriz da Aldeia de Montanha da Lapa dos Dinheiros e desenrola-se ao longo da ribeira da Caniça. Pelo caminho destacam-se o Souto da Lapa (com castanheiros centenários), as quedas de água da Caniça, a curiosa formação rochosa dos Cornos do Diabo e o Buraco do Sumo, um local onde a ribeira corre subterraneamente por baixo de enormes blocos de granito.

O último percurso, a 31 de agosto, realiza-se nas Penhas Douradas, na envolvente do vale do Rossim, abrangendo uma paisagem onde predominam as formas características do modelado granítico.

Neste trajeto, o mais extenso de todos (12 km) será possível descobrir o Vale das Éguas, as nascentes do rio Alva, a Nave da Mestra e os Fragões das Penhas Douradas.

Os interessados em participar podem fazer a inscrição on-line (em https://visitseia.pt). A participação na atividade está limitada a 15 pessoas, com idade superior a 12 anos., realizando-se com um mínimo de 6.