Festas da Mata regressam a Tondela nos dias 4, 5 e 6 de agosto

Numa organização da União de Freguesias de Tondela e Nandufe, com o apoio da Câmara Municipal de Tondela, realiza-se entre os dias 4 e 6 de agosto, no Parque Urbano, mais uma edição das Festas da Mata.

A animação vai estar a cargo sobretudo de artistas da terra, como Celso Coelho ou a banda Canal 18, entre outros. Os espetáculos musicais são, de resto, um dos principais atrativos das festividades que voltam a apostar na presença de orquestras, como manda a tradição.

Nesta edição de 2023, as receitas da bilheteira do evento (dois euros de entrada) revertem a favor dos Bombeiros Voluntários de Tondela, como é hábito desde sempre. Este ano serão também ajudadas a Cooperativa de Solidariedade Social Vários, que ficará responsável pela quermesse e a Associação Febre Amarela, claque oficial do Clube Desportivo de Tondela, que ficará a cargo das barracas de chá.

“A tradição mantém-se a quermesse, a barraca de chá, exposições, doçaria e um painel de atuações de artistas do nosso concelho. As festas são realizadas tal como nos comprometemos no sentido de manter a tradição, mas sempre com os olhos no futuro, ou seja, a tentar cada vez mais captar a juventude”, afirmou, este domingo (16 de julho), em conferência de imprensa, o presidente da União de Freguesias de Tondela e Nandufe, Pedro Neves.

O autarca revelou ainda que este ano o custo das festas foi “encurtado um bocadinho”, estando orçado atualmente nos 20 mil euros.

A presidente da Câmara, Carla Antunes Borges, começou por parabenizar a União de Freguesias de Tondela e Nandufe por manter os festejos, apesar da falta de apoio da comissão de festas.

“Parabéns à Junta de Freguesia, ao executivo e à assembleia, que souberam aceitar este desafio de organizar as festas, dando-lhe aqui uma roupagem de modernidade”, vincou, destacando “a abertura à participação de outras associações da freguesia” e a “capacidade e o engenho de trazerem uma associação de jovens que permite uma passagem de testemunho”.

O presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Tondela, António Mano, deixou “uma palavra de reconhecimento” à Junta e à Câmara pela iniciativa, que vai traduzir-se em “alguma receita garantida” para a corporação sem que esta corra “grandes riscos”. O dirigente saudou ainda a abertura das festividades a outras instituições.

Já Nazaré Gouveia, presidente da Cooperativa Vários, disse estar “emocionada” por a instituição social que lidera participar no evento este ano.

“As festas têm que manter o apoio aos bombeiros, mas não podem ser o que eram antigamente. A vida mudou e essa remodelação, que permite ajudar os bombeiros e outras instituições também é muito válida”, defendeu.

António Borges, da Associação Febre Amarela, agradeceu o convite feito pela organização e referiu que é com um “gosto enorme” que a associação integra as Festas da Mata.

Programa

O evento arranca a 4 de agosto (sexta-feira) com uma apresentação do grupo dance & gymn da Associação de Educação Física e Desporto de Tondela. Seguem-se espetáculos dos projetos Chorushima, Smooth Orquestra e Canal 18.

A mesma banda volta a atuar no dia seguinte, 5 de agosto (sábado), data em que subirão ao palco também a Banda Filarmónica Tondelense e o cantor Celso Coelho.

Para fechar, a 6 de agosto (domingo), haverá espetáculos dos Mfit Dance, Duplo Sentido, Orquestra Casinu´s e Mar e Samba.

Além dos concertos, o cartaz das festividades engloba exposições, barraca de chá, quermesse, animação e doçaria.

Miriam Gouveia, presidente da Assembleia de Freguesia, sublinhou que “a junta empenhou-se afincadamente para que estas festas fossem realizadas”. Explicou que face à ausência de ajuda da Comissão de Festas, a junta teve que “reorganizar o método de trabalho”, tendo decidido convidar outras instituições da cidade para ajudar na festa.

Vítor Figueiredo, segundo secretário da Assembleia de Freguesia, acrescentou que a organização do evento optou por entregar a animação musical a bandas locais por entender que devia “dar primazia a quem é do concelho”.

“Apenas três grupos é que são de fora e isso diz bem da representação do nosso concelho. É uma festa mais contida, mas acima de tudo esta é uma forma de mostrar e dar a oportunidade aos nossos artistas. Todos eles anuíram e ficaram contentes por atuarem nas Festas da Mata, que têm um significado muito importante”, argumentou.

As Festas da Mata começaram nos anos 30 do século XX, decorrendo no espaço onde é hoje o Parque Urbano. As festividades foram interrompidas nos anos 90, tendo sido retomadas em 2018.