Viseu celebra os 50 anos da Liberdade com programa de atividades para toda a comunidade

Em 2024, as comemorações do 25 de Abril ganham um significado ainda mais especial, considerando os 50 anos da democracia e da liberdade, as duas grandes conquistas da Revolução de 1974.

Na Cidade-Jardim, o Município e a Assembleia Municipal de Viseu promovem uma programação abrangente, que vai muito para lá dos atos formais e solenes que a data exige, apresentando concertos, espetáculos, exposições e outras iniciativas, e convidando toda a comunidade a associar-se às celebrações.

Na véspera do “Dia da Liberdade”, Viseu acolhe, no Campo de Viriato, no estacionamento em frente ao Multiusos de Viseu, um grande concerto, de entrada gratuita, da banda Os Quatro e Meia. Depois da estreia na Feira de São Mateus, em 2023, o grupo de Coimbra está de regresso à cidade de Viseu, para aquela que se espera ser uma noite de “casa cheia”, ao som de êxitos como “Olá Solidão”, “Coisas tão bonitas” ou “Não respondo por mim”.

No panorama musical, os espetáculos não se esgotam nesta noite. No dia 25 de abril, a Orquestra Juvenil de Viseu, com o convidado Daniel Pinto, será responsável pelo concerto das comemorações oficiais, agendado para as 17H30, na Aula Magna do Instituto Politécnico de Viseu. A entrada é gratuita, sujeita ao levantamento prévio de ingresso, dada a lotação do espaço.

O espetáculo precede a um conjunto de atos oficiais, os quais terão início pelas 9H30, com o reconhecimento dos Órgãos Municipais ao papel do Regimento de Infantaria nº 14 de Viseu no 25 de Abril, no próprio Regimento.

Segue-se, pelas 10H15, a habitual homenagem aos Capitães de Abril, na avenida com o mesmo nome, assinalada simbolicamente com a deposição de uma coroa de flores.

Este ano, a Sessão Solene da Assembleia Municipal de Viseu terá o seu lugar no Viriato Teatro Municipal, com início pelas 11 horas. Participará nesta sessão, como convidado-conferencista, o Tenente-General António Luís Ferreira Amaral, com uma comunicação subordinada ao tema “Meio Século de Encruzilhadas”.

No assinalar dos 50 anos da Liberdade, um conjunto de exposições emergem na Biblioteca Municipal D. Miguel da Silva e nos Museus Municipais, desafiando o público a fazer uma viagem no tempo e a conhecer, em pormenor, acontecimentos, figuras e histórias do período do Estado Novo.

Até 31 de maio, a “Casa dos Livros” apresenta a exposição “Livros sem Censura”, no átrio do edifício. Uma mostra de 100 livros, os quais foram proibidos pela ditadura do Estado Novo, de 93 importantes autores portugueses e estrangeiros, entre os quais Judith Teixeira, Manuel Alegre, Bernardo Santareno, Maria Teresa Horta, Jorge Amado, entre outros.

Também até ao final deste mês, na Galeria do 1º piso, a Biblioteca Municipal acolhe a exposição fotográfica “A Guerra Colonial”, da Associação dos Deficientes das Forças Armadas (ADFA), a qual visa mostrar às gerações atuais o que foi a Guerra Colonial, o sofrimento de uma geração e a importância que a guerra teve na sociedade militar e civil, assim como a relevância dos 50 anos da ADFA.

São ainda mais duas as atividades que a Biblioteca tem agendadas para os próximos dias. Este sábado, dia 13 de abril, pelas 15 horas, terá lugar a oficina de escrita criativa “Riscos da Liberdade”, no anfiteatro infantil. Uma atividade dirigida a crianças dos 6 aos 12 anos, acompanhadas por um adulto, sujeita a inscrição prévia para o email biblioteca@cmviseu.pt.

Já no dia 20 de abril, a Trimagisto – Cooperativa de Experimentação Teatral apresenta o espetáculo-concerto “Levantei-me do Chão”, criado e interpretado por Carlos Marques, a partir da obra “Levantado do Chão”, do escritor José Saramago. Será pelas 15 horas, na Sala Polivalente, e é dirigido ao público em geral, maior de 12 anos. A participação é sujeita a inscrição prévia para o email biblioteca@cmviseu.pt.

No caso dos Museus Municipais, está também patente, na Casa da Ribeira, a exposição “Mulheres antes de Abril”, inaugurada no passado Dia Internacional da Mulher, que homenageia e reflete sobre o papel das mulheres na sociedade, tanto antes como depois do 25 de Abril de 1974.

Nesta mostra, os visitantes têm a oportunidade de visualizar vídeos do Arquivo da RTP que abordam temas como o ideal feminino do Estado Novo, os direitos das mulheres e o impacto do livro “Novas Cartas Portuguesas” durante o período da ditadura. Além disso, a exposição destaca proibições enfrentadas pelas mulheres na época, como o direito ao voto e ao divórcio, entre outras restrições.

E porque uma imagem vale mais que mil palavras, o Museu Almeida Moreira irá ser berço de outra exposição temática, do fotógrafo portuense Sérgio Valente. Intitulada “Um fotógrafo da Revolução”, a referida exposição, que irá inaugurar no dia 30 de abril, será constituída por 60 fotografias, a cores e a preto e branco, que documentam um vasto número de acontecimentos e os seus protagonistas, os quais a objetiva de Sérgio Valente foi captando entre os anos de 1964 e 1982, nos vários concelhos do distrito do Porto, com maior incidência na cidade do Porto. A mostra estender-se-á também à Praça da República (Rossio), com a exibição de algumas das fotografias a céu aberto.

A par das exposições, outras ações complementam a programação. No dia 20 de abril, sábado, o Museu Keil Amaral recebe a conversa “Geração de Abril”, com Francisco Pires Keil do Amaral e Lira Keil do Amaral. Um momento de convívio e partilha das suas diferentes experiências e visões em torno do antes e depois da Revolução dos Cravos.

Há ainda oficinas criativas para crianças e jovens, as suas famílias e a comunidade em geral. É o caso da “Oficina dos Cravos”, na Casa da Ribeira, até ao final do ano; a oficina “Escolhe o teu herói”, no Museu Almeida Moreira, no dia 24 de abril; a oficina “Eu sou livre”, no Museu de História da Cidade, até 30 de abril; a oficina “A Mulher no Mundo Rural”, no Museu do Linho de Várzea de Calde, até 30 de abril; ou o workshop de aguarelas “Cravos de Abril”, no Museu Keil do Amaral, a 20 de abril.

De ressalvar, ainda, o espetáculo “Natália(s)”, uma peça inspirada na vida e obra de Natália Correia, com encenação de Mariana Silva e texto de Paulo Viegas, o qual terá lugar nos dias 24 e 26 de abril, pelas 21 horas, na Escola Secundária Alves Martins. Mais informações sobre o acesso ao mesmo serão reveladas brevemente.

Na Cidade Europeia do Desporto, o 25 de Abril vai ser celebrado da forma mais ativa e saudável com a realização de uma prova de duatlo, organizada pela Associação “Os Infantes de Viseu”, e coorganizada pelo Município de Viseu.

Com arranque marcado para as 10 horas do Dia da Liberdade, o Duatlo 25 Abril dividir-se-á pelas seguintes distâncias: cinco quilómetros de corrida, seguidos de vinte quilómetros de ciclismo, terminando com uns adicionais 2,5 quilómetros de corrida, com o Regimento de Infantaria nº 14 a ser escolhido como o local de partida e chegada da prova.

Esta é uma prova inserida na agenda da Cidade Europeia do Desporto, parte do calendário de provas oficiais da Federação de Triatlo de Portugal, e para a qual as inscrições já se encontram abertas.

Esta prova tem também como objetivo a promoção e maior divulgação das modalidades de duatlo e triatlo, modalidades em crescimento no concelho de Viseu e representadas por clubes que enaltecem princípios como o respeito, a resiliência e superação pessoal, a diversidade, a competitividade e o fairplay.

A programação das comemorações do 25 de Abril estende-se também às Freguesias do concelho que dinamizam um conjunto de iniciativas, convidando a comunidade ao envolvimento e participação.

Toda a programação poderá ser acompanhada em www.visitviseu.pt.